Acessibilidade na 21ª edição do CINE PE

Pelo segundo ano consecutivo, o CINE PE, que acontece de 27 de junho a 3 de julho, contará com legendagem eletrônica para atender ao público com deficiência auditiva. Além disso, o primeiro dia do festival oferecerá o recurso da audiodescrição para cegos e pessoas de baixa visão.

O evento completa 21 anos assumindo a responsabilidade de promover a conscientização sobre o tema: embora o termo inclusão devesse ser a palavra de ordem da sociedade, a acessibilidade comunicacional ainda é frágil no Brasil. As produtoras de filmes nacionais, por exemplo, só passaram a se preocupar com as pessoas com deficiência depois que a Agência Nacional do Cinema (ANCINE) publicou sua Instrução Normativa nº 116, que exige que produções financiadas com recursos federais ofereçam legendagem descritiva, audiodescrição e Libras. Na prática, entretanto, esses recursos não costumam chegar às salas de cinema, com raras exceções de festivais voltados especificamente para este público.

Para se entender a necessidade de tornar a arte mais acessível, o Censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indicou que 18,6% da população brasileira possui algum problema para enxergar; são mais de 35 milhões de pessoas, entre as quais 506 mil são cegas e cerca de 6 milhões têm baixa visão. No caso da deficiência auditiva, são cerca de 9,7 milhões de pessoas, que representam 5,1% da população do país; entre elas, 1,7 milhões têm grande dificuldade para ouvir e 344 mil são surdas.

As legendas para surdos e ensurdecidos permitem que mais pessoas com deficiência auditiva severa possam consumir as produções nacionais. Na falta deste recurso nos cinemas e mesmo nos DVDs, a maioria da população surda acaba optando pelos filmes estrangeiros, que sempre têm legendas disponíveis, mesmo que não sejam adaptadas às necessidades de quem não ouve. A audiodescrição é uma faixa narrativa adicional que descreve cenários e acontecimentos nos intervalos entre os diálogos. O recurso pode ser utilizado não apenas na televisão e no cinema, mas também para a dança, a ópera e as artes visuais.

Para aprofundar o debate sobre o tema, a programação do dia 28 de junho inclui o seminário “Painel: Acessibilidade: O que está sendo planejado e executado para garantir a universalização do consumo no audiovisual?”, com Rafael dos Santos, da ANCINE (RJ), Carla Mauch, da associação Mais Diferenças – Educação e Cultura Inclusivas (SP) e Marcelo Pedrosa, arquiteto e especialista em acessibilidade comunicacional (PE). A apresentação será às 14h30 no Hotel Transamérica, em Boa Viagem, e o acesso é gratuito.

As exibições das mostras de curtas e longas metragens acontecerão no Cinema São Luiz, no Centro do Recife. Os ingressos para cada dia do festival custam R$ 5,00 (preço único), e o faturamento será revertido para a manutenção do próprio São Luiz.

SERVIÇO

21º Cine PE Festival do Audiovisual

De 27 de junho a 3 de julho de 2017, a partir das 19h30.

SESSÕES

Local: Cinema São Luiz (Rua da Aurora, 175 – Boa Vista, Recife – PE)

Ingressos: R$ 5,00 (Preço único)

Informações: (81) 3461-2765 / festival@bpe.com.br

SEMINÁRIO

“Painel: Acessibilidade: O que está sendo planejado e executado para garantir a universalização do consumo no Audiovisual?”

28 de junho de 2017, às 14h30

Local: Hotel Transamérica (Av. Boa Viagem, 420 – Boa Viagem, Recife – PE)

Entrada gratuita

CINE PE fecha ciclo de coletivas

A manhã desta segunda (3) foi de sabatina para os diretores Fernando Gutiérrez, de José, Aline Van der Linden, de Entre Andares, e Felipe Arrojo Poroger, de Aqueles Anos em Dezembro. Os cineastas participaram da última coletiva da 21ª edição do CINE PE. As conversas...

Patrocinador Master

Patrocinador

Incentivo

Apoio Institucional

Apoio Cultural

Promoção

Realização