Dando continuidade às coletivas de imprensa com os realizadores de curtas e longas que estão na grade do CINE PE, esta sexta (30) foi dia de dar voz à diretora da ficção Aqui Jaz, Brenda Ligia Miguel, ao diretor do documentário em curta-metragem Retratos da Alma, Leo Bello, ao roteirista e ator Mário Bartolotto, do longa Borrasca, e ao diretor André Lage, de Los Leones. A discussão, mediada pela diretora do festival, Sandra Bertini, começou por volta das 10h30 da manhã. O curta-metragem Aqui Jaz, filmado com iPhone, despertou os olhares e dúvida no público presente e rendeu um bom tempo de debate a respeito da sua execução e estética. Já Léo Bello falou de sua própria relação contemplativa com a natureza e sobre o visual eremítico de Retratos da Alma.

A diretora Brenda Lígia falou sobre seu curta ‘Aqui Jaz’. Foto: Lana Pinho/Divulgação

O debate sobre os longas permitiu que o público conhecesse as técnicas utilizadas pelo diretor André Lage, que, durante um ano, acompanhou o dia a dia de um casal argentino, a travesti Mariana Koballa e seu companheiro, Raul Francisco. Durante a conversa, o cineasta lembrou que conheceu o casal durante uma viagem a passeio para a Argentina e que ficou apaixonado: “Eu vi que o material era potente e que, para fazer algo que explorasse tudo o que eu tinha ali, era necessário passar um longo tempo ao lado deles”. Mario Bortolotto, roteirista de Borrasca, explicou a escolha do título da obra, que significa “um temporal com ventania violenta e de pouca duração”, além de relembrar sua trajetória nos palcos de São Paulo.